Saiba o que é o Vaginismo e a Importância do Tratamento

Compartilhe

Saiba o que é o Vaginismo e a Importância do Tratamento.

Quando uma mulher tem vaginismo, os músculos de sua vagina se contraem ou entram em espasmo quando alguma coisa entra nela, como um tampão ou um pênis. s contrações podem impedir a relação sexual ou torná-la muito dolorosa.

Há exercícios que uma mulher pode fazer para ajudar, às vezes em semanas.

Saiba o que é o Vaginismo e a Importância do Tratamento

Saiba o que é o Vaginismo e a Importância do Tratamento

Isso pode acontecer:

  • como o parceiro tenta a penetração
  • quando uma mulher insere um tampão
  • quando uma mulher é tocada perto da área vaginal

O vaginismo não interfere na excitação sexual, mas pode impedir a penetração.

Um exame pélvico suave normalmente não mostra nenhuma causa das contrações. Nenhuma anormalidade física contribui para a condição.

A disfunção sexual pode ocorrer tanto em homens como em mulheres e geralmente pode ser tratada. Não é sua culpa, e não é nada para se envergonhar. No entanto, esses distúrbios podem interferir em seus relacionamentos e sua qualidade de vida.

Especialistas não sabem exatamente quantas mulheres sofrem de vaginismo, mas a condição é considerada incomum.

Tipos de Vaginismo

O vaginismo é classificado em dois tipos:

  • vaginismo primário: quando a penetração vaginal nunca foi alcançada
  • vaginismo secundário: quando a penetração vaginal já foi alcançada, mas não é mais possível, potencialmente devido a fatores como cirurgia ginecológica, trauma, radiação, aborto.

Algumas mulheres desenvolvem o vaginismo após a menopausa. Quando os níveis de estrogênio caem, a falta de lubrificação e elasticidade vaginal torna as relações dolorosas, estressantes ou impossíveis. Isso pode levar ao vaginismo em algumas mulheres.

Dispareunia

A dispareunia é o termo médico para relações sexuais dolorosas. É frequentemente confundido com o vaginismo, mas a dispareunia pode ser causada por cistos, doença inflamatória pélvica ou atrofia vaginal.

Causas do Vaginismo

Os médicos não sabem exatamente porque o vaginismo acontece. Está geralmente ligado à ansiedade e ao medo de fazer sexo. Mas não está claro o que veio primeiro, o vaginismo ou a ansiedade.

Algumas mulheres têm vaginismo em todas as situações e com qualquer objeto. Outros têm apenas em certas circunstâncias, como com um parceiro, mas não com outros, ou apenas com relações sexuais, mas não com tampões ou durante os exames médicos.

Outros problemas médicos, como infecções, também podem causar intercurso doloroso. Por isso, é importante consultar um médico para determinar a causa subjacente da dor durante o sexo.

Leia Também :

Não há sempre uma razão para o vaginismo. A condição também pode ser associada a abuso sexual ou trauma passado, relações sexuais dolorosas e fatores emocionais. Em alguns casos, nenhuma causa direta pode ser encontrada.

Para fazer um diagnóstico, seu médico fará um exame físico e perguntará sobre sua história médica e sexual. Essas histórias podem ajudar a fornecer pistas sobre a causa subjacente das contrações.

Sintomas do Vaginismo

O aperto involuntário dos músculos vaginais é o principal sintoma do vaginismo, mas a gravidade da condição varia entre as mulheres. Em todos os casos, a constrição da vagina torna a penetração difícil ou impossível. Se você tem vaginismo, você não pode controlar ou parar as contrações dos músculos vaginais.

O vaginismo pode ter sintomas adicionais, incluindo medo da penetração vaginal e diminuição do desejo sexual relacionado à penetração. As mulheres com vaginismo geralmente relatam uma dor ardente ou ardente quando alguma coisa é inserida na vagina.

Se você tem vaginismo, isso não significa que você deixará de gostar de atividades sexuais por completo. As mulheres que têm essa condição ainda podem sentir e desejar prazer sexual e ter orgasmos. Muitas atividades sexuais não envolvem penetração, incluindo sexo oral, massagem e masturbação.

Diagnóstico do Vaginismo

O diagnóstico do vaginismo geralmente começa com a descrição dos sintomas. Seu médico provavelmente perguntará quando você notou um problema pela primeira vez, com que frequência ocorre e o que parece desencadear. Normalmente, seu médico também perguntará sobre seu histórico sexual, que pode incluir perguntas sobre se você já sofreu trauma ou abuso sexual. Em geral, o diagnóstico e tratamento do vaginismo requer um exame pélvico.

É comum que as mulheres com vaginismo fiquem nervosas ou com medo dos exames pélvicos. Se o seu médico recomendar um exame pélvico, você poderá discutir maneiras de tornar o exame o mais confortável possível para você. Algumas mulheres preferem não usar estribos e tentar diferentes posições físicas para o exame. Você pode se sentir mais à vontade se puder usar um espelho para ver o que seu médico está fazendo.

Quando um médico suspeita de vaginismo, ele geralmente realiza o exame da maneira mais gentil possível. Eles podem sugerir que você ajude a orientar suas mãos ou instrumentos médicos em sua vagina para facilitar a penetração. Você pode pedir a seu médico que lhe explique todas as etapas do exame à medida que avançam.

Durante o exame, o seu médico procurará qualquer sinal de infecção ou cicatrização. No vaginismo, não há razão física para contrair os músculos vaginais. Isso significa que, se você tiver vaginismo, seu médico não encontrará outra causa para seus sintomas.

Opções de tratamento para o vaginismo

O vaginismo é um distúrbio tratável. O tratamento geralmente inclui educação, aconselhamento e exercícios.

Terapia Sexual e Aconselhamento

A educação tipicamente envolve aprender sobre sua anatomia e o que acontece durante a excitação sexual e a relação sexual. Você também receberá informações sobre os músculos envolvidos no vaginismo. Isso pode ajudá-lo a entender como as partes do corpo funcionam e como seu corpo está reagindo.

Aconselhamento pode envolver você sozinho ou com seu parceiro. Trabalhar com um conselheiro especializado em distúrbios sexuais pode ser útil. Técnicas de relaxamento e hipnose também podem promover relaxamento e ajudar você a se sentir mais confortável com a relação sexual.

Dilatadores Vaginais

Seu médico ou conselheiro pode recomendar o uso de dilatadores vaginais sob a supervisão de um profissional.

Coloque os dilatadores em forma de cone na sua vagina. Os dilatadores serão progressivamente maiores. Isso ajuda os músculos da vagina a se alongarem e se tornarem flexíveis. Para aumentar a intimidade, peça ao seu parceiro para ajudá-lo a inserir os dilatadores. Depois de completar o curso do tratamento com um conjunto de dilatadores, você e seu parceiro podem tentar ter relações sexuais novamente.

Exercícios de Kegel

Para realizar exercícios de Kegel, aperte e relaxe repetidamente os músculos do assoalho pélvico, que controlam sua vagina, reto e bexiga.

Você pode localizar esses músculos quando estiver urinando. Depois de começar a urinar, pare o fluxo. Você está usando os músculos do assoalho pélvico para fazer isso. Você pode senti-los apertar e se mover. Esses músculos se movem como um grupo, então todos se contraem e relaxam ao mesmo tempo.

Praticar esses exercícios ajuda a controlar quando seus músculos se contraem e relaxam. 

Siga esses passos:

  1. Esvazie sua bexiga.
  2. Contraia os músculos do assoalho pélvico e conte até 10.
  3. Relaxe seus músculos e conte até 10.
  4. Repita este ciclo 10 vezes, três vezes ao dia.

Para fortalecer com sucesso os músculos do assoalho pélvico, não se envolva com os músculos do abdômen, nádegas ou coxas ao fazer esses exercícios.

Compartilhe

Deixe seu Comentário