PET

O que é Leishmaniose e Como Afeta os Cães

Ad Blocker Detectado

Nosso site precisar exibir anúncios on-line para nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar, desativando o seu bloqueador de anúncios.

O que é Leishmaniose e Como Afeta os Cães.

A leishmaniose, termo médico utilizado para a doença que é causada pelo parasita protozoário Leishmania.

Podendo ser categorizada por dois tipos de doenças em cães: uma reação cutânea (pele) e uma reação visceral (órgão abdominal) – também conhecida como febre negra, a forma mais grave de leishmaniose.

A infecção é adquirida quando os flebótomos transmitem os parasitas flagelados para a pele de um hospedeiro.

O que é Leishmaniose e Como Afeta os Cães

O período de incubação da infecção aos sintomas é geralmente entre um mês ou vários anos.

Nos cães, a doença se espalha por todo o corpo para a maioria dos órgãos; insuficiência renal (rim) é a causa mais comum de morte, e praticamente todos os cães infectados desenvolvem doença visceral ou sistêmica.

Além disso, 90% dos cães infectados também terão a pele comprometida. Não há idade, sexo ou predileção de raça. No entanto, os machos são mais propensos a ter uma reação visceral.

Os principais órgãos afetados são a pele, os rins, o baço, o fígado, os olhos e as articulações. Ocorre também uma reação cutânea, com lesões na pele e queda de cabelo. Há marcada tendência a hemorragia.

O que é Leishmaniose e Como Afeta os Cães

É importante saber que a leishmaniose é uma infecção zoonótica, e os organismos que residem nas lesões podem ser comunicados aos seres humanos.

Sintomas e tipos

Existem dois tipos de leishmaniose em cães: visceral e cutânea. Cada tipo afeta diferentes partes do corpo do cão.

Visceral – Afeta órgãos da Cavidade Abdominal

  • Perda de peso grave
  • Perda de apetite ( anorexia )
  • Diarréia
  • Fezes de alcatrão (menos comum)
  • Vômito
  • Sangramento nasal
  • Intolerância ao exercício

Cutâneo – Afeta a Pele

  • Hiperqueratose – achado mais proeminente; escamação epidérmica excessiva com espessamento, despigmentação (perda da cor da pele) e rachaduras do focinho e das patas
  • Alopecia – pêlo seco e quebradiço com perda de cabelo simétrica
  • Nódulos geralmente se desenvolvem na superfície da pele
  • Nódulos intradérmicos e úlceras podem ser vistos
  • Unhas anormalmente longas ou frágeis são um achado específico em alguns pacientes

Outros Sinais e Sintomas associados à Leishmaniose incluem:

  • Linfadenopatia – doença dos linfonodos com lesões de pele em 90% dos casos
  • Emagrecimento
  • Sinais de insuficiência renal – micção excessiva, sede excessiva, vômitos possíveis
  • Neuralgia – distúrbio doloroso dos nervos
  • Dor nas articulações
  • Inflamação dos músculos
  • Lesões osteolíticas – área “perfurada” com perda óssea severa
  • Inflamação da cobertura de ossos; raro
  • Febre com um spleed aumentado (em aproximadamente 1/3 dos pacientes)

Causas da Leishmaniose

No Brasil, a transmissão da leishmaniose canina ocorre somente através da picada do mosquito Lutzomyia longipalpis.

Ele é conhecido popularmente como mosquito-palha, birigui, cancalha e tatuqueira, dependendo da região.

Ao picar um animal infectado, a fêmea do mosquito ingere a leishmania e a transmite para outros animais através da picada.

Benefícios do Óleo de Coco para Cães

Plano de Saúde para Pets

Considerada endêmica, a incidência da leishmaniose canina é comumente associada a locais onde as condições sanitárias são precárias.

Geralmente, é encontrada em volta de galinheiros, chiqueiros ou de ambientes que não estão bem higienizados.

Devido ao mosquisto-palha colocar seus ovos em locais ricos em matéria orgânica, o que inclui até mesmo terra.

No entanto, receber uma transfusão de outro animal infectado também pode levar à leishmaniose.

Diagnóstico

O veterinário examinará seu cão, levando em conta o histórico de sintomas e possíveis incidentes que possam ter levado a essa condição.

Um exame de sangue com hemograma completo e um exame de urina.

O veterinário poderá  procurar evidências de doenças como lupus, câncer e cinomose, entre outras causas possíveis para os sintomas.

Amostras de tecido da pele, baço, medula óssea ou gânglios linfáticos serão retiradas para cultura de laboratório, bem como aspirados de fluidos.

Como muitas vezes há lesões relacionadas na superfície da pele, uma biópsia da pele também será necessária.

A maioria dos cães com leishmaniose apresenta altos níveis de proteína e gama-globulina, além de alta atividade das enzimas hepáticas.

Mesmo assim, seu veterinário precisará eliminar a febre da carraça como a causa dos sintomas, e pode testar especificamente o lúpus, a fim de descartá-lo ou confirmá-lo como uma causa.

Tratamento

A menos que seu cão esteja extremamente doente, ele será tratado como um paciente externo.

Se estiver emagrecido e cronicamente infectado, talvez seja necessário considerar a eutanásia, pois o prognóstico é muito ruim para esses animais.

Se o seu cão não estiver gravemente infectado, o veterinário provavelmente prescreverá uma dieta proteica de alta qualidade, uma que seja projetada especificamente para insuficiência renal, se necessário.

Leia Também > 6 Sinais que um Gato pode estar Passando Mal

Esta é uma infecção zoonótica, e os organismos que residem nas lesões podem ser comunicados aos seres humanos. Esses organismos nunca serão totalmente eliminados, e a recaída, exigindo tratamento, é inevitável.

Existem medicamentos que podem ser úteis no tratamento dos sintomas e na abordagem da doença. Seu veterinário irá aconselhá-lo sobre o melhor curso.

Gerenciando

Seu veterinário vai acompanhar seu cão para melhoria clínica e para identificação de organismos em repetidas biópsias.

Se ocorrer recaída de alguns meses a um ano após a terapia inicial. Seu veterinário vai querer reavaliar a condição do seu cão pelo menos a cada dois meses após a conclusão do tratamento inicial.

O prognóstico para uma cura bem sucedida é muito cauteloso.

Deixe seu Comentário