Conheça Maneiras de Ajudar seu Filho a Construir Autoestima

Ad Blocker Detectado

Nosso site precisar exibir anúncios on-line para nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Conheça Maneiras de Ajudar seu Filho a Construir Autoestima.

Um senso positivo de si mesmo é um dos maiores presentes que você pode dar ao seu filho. As crianças com autoestima elevada sentem-se amadas e competentes e desenvolvem-se em pessoas felizes e produtivas. Para ajudar a construir a auto-imagem positiva do seu filho à medida que ele cresce.

Deixe que às crianças façam as suas escolhas – dentro de um conjunto razoável de opções pré-selecionadas por você. Essa atitude, faz com que elas se sintam fortalecidas. Por exemplo, no café da manhã você pode oferecer ao seu filho uma opção de café da manhã.

Conheça Maneiras de Ajudar seu Filho a Construir Autoestima

Aprender a fazer escolhas simples enquanto ele é jovem ajudará a preparar seu filho para as escolhas mais difíceis que ele enfrentará à medida que ele cresce.

Não faça tudo pelo seu filho, seja paciente e deixe-a resolver as coisas por si mesmo. Um exemplo, pode ser mais rápido e mais fácil vestir sua criança em idade pré-escolar, mas deixá-la fazer isso sozinha a ajuda a aprender novas habilidades. Quanto mais ela encontrar novos desafios, mais competente e confiante ela se sentirá.

Converse com seu filho que ninguém é perfeito. E explique que ninguém espera que ele seja. A maneira como você reage aos erros e desapontamentos do seu filho colore a maneira como ele reagirá.

Não faça elogios insinceros ao seu filho. As crianças são mestres em detectar elogios insinceros ou elogios infundados. É importante elogiar seu filho com frequência, mas seja específico em seus elogios, para que suas palavras não pareçam ser mentiras.

 Por exemplo, em vez de reagir ao último desenho do seu filho com: “Uau, isso é ótimo. Você é o melhor desenhista do mundo”, tente algo diferente como “Gostei muito de como você desenhou toda a família. Inclusive os detalhes do meu cabelo, olhos, do seu pai, etc “.

Atribua tarefas domésticas que compreendem a sua idade. Dê as crianças responsabilidades por exemplo, tarefas como arrumar a mesa, seca a louça, oferecer água e comida para seu animal de estimação de estimação, dobrar a roupa. Eles aumentarão seus sentimentos de competência e reforçarão suas habilidades de resolução de problemas.

Se você tem mais de dois filhos, jamais faça comparações entre eles. Em vez disso, aprecie a individualidade e os dons especiais de cada um.

Não chame nomes de crianças ou use sarcasmo para fazer um ponto. Nunca menospreze os sentimentos do seu filho. Quando você ficar com raiva, faça uma pequena pausa para não dizer nada do que vai se arrepender. E lembre-se, você pode não gostar das ações de uma criança sem gostar da criança. Certifique-se de mostrar a diferença para o seu filho.

Passar um tempo com seu filho é extremamente importante. Seja para ir ao parque, fazer uma caminhada, um passeio de bicicleta, ler ou outra atividade. Agende um horário sozinho com seu filho pelo menos uma vez por semana. Esta é uma ótima oportunidade para falar sobre o que está em sua mente e na dele e consolidar o vínculo que vocês dois compartilham.

Conheça Maneiras de Ajudar seu Filho a Construir Autoestima

Muitos adolescentes estão vivenciando aumento dos níveis de ansiedade e perfeccionismo.  E, é importantíssimo desenvolver seus pontos fortes e fazer com que vejam além de si mesmos pode ajudar a aumentar sua autoestima.

Conheça Maneiras de Ajudar seu Filho a Construir Autoestima

Muitas frases, são mencionadas por eles. Ninguém quer sair comigo. Eu sou um fracasso na escola. Todos os meus outros amigos parecem felizes. O que há de errado comigo?

Esses tipos de pensamentos negativos estão se tornando mais comuns em muitos lares e escolas. Os adolescentes estão vivenciando um  aumento da ansiedade e  estudos indicam que estudantes universitários estão se tornando mais perfeccionistas ao longo do tempo, medindo-se contra padrões irrealistas.

Por que isso está acontecendo? Não podemos dizer com certeza – mas sabemos que há passos que os adolescentes podem adotar para melhorar sua saúde mental.

Um  estudo  de 2018 sobre adolescentes iniciais sugere que o autoconceito (sua percepção de si) desempenha um papel central no bem-estar emocional. De acordo com o estudo, um ambiente de sala de aula de apoio e relações sociais positivas também afetam o bem-estar da adolescência, mas o impacto é indireto.

 O autoconceito positivo parece ser a variável-chave na equação do bem-estar. Se uma estudante se sente bem consigo mesma, então ela pode estar mais propensa a se conectar com os outros e se beneficiar dos apoios oferecidos na escola.

Aqui estão cinco maneiras de ajudar as pré-adolescentes e adolescentes a se moverem em direção a um autoconceito mais positivo.

1- Praticar Atividades Físicas

Embora já tenhamos ouvido isso várias vezes, as crianças tendem a se beneficiar praticando exercícios regularmente (comparando em especial quando a tendência é sentar na frente de uma tela). Uma revisão recente  de 38 estudos internacionais indica que apenas a atividade física pode melhorar a autoestima e o autoconceito em crianças e adolescentes.

Aparentemente, a configuração do exercício também é importante. Os estudantes que participaram de atividades supervisionadas em escolas ou ginásios relataram um crescimento mais significativo na autoestima do que aqueles que se exercitaram em casa e em outros ambientes.

O autoconceito dos adolescentes está mais fortemente ligado ao seu sentido de  atratividade física e imagem corporal, uma área em que muitas pessoas lutam. Assim, encoraje programas de exercícios mais regulares durante e depois da escola, e se participe de algum também, junto com seu filho.

Apoie os esportes em equipe, treinamento de força, corrida, ioga e natação. Não apenas por seus efeitos no corpo, mas também na mente. Sair e se dedicar em alguma forma de exercício pode nos fazer sentir mais fortes, saudáveis ​​e com mais poder.

2- Concentre-se na Auto-Compaixão (na Auto-Estima não)

Porque a auto-estima é uma avaliação global do seu valor geral, ela tem seus perigos. O que estou conseguindo? Eu sou bom o suficiente? Como eu me compara com meus colegas?

O que aconteceria se pudéssemos parar de nos julgar? A pesquisadora  Kristen Neff  afirma que a autocompaixão – tratar-se com gentileza, abertura e aceitação – é uma alternativa saudável ao esforço incessante e à orientação de desempenho, muitas vezes ligada à auto-estima.

Em seu  estudo  com adolescentes e jovens adultos, ela descobriu que os participantes com maior autocompaixão demonstravam maior bem-estar. 

Por quê? Eles estavam bem com suas falhas, reconheceram que lutavam como aqueles ao seu redor (“Todo mundo comete erros; você não está sozinho”), e se tratavam com a mesma bondade que estenderiam a um amigo (“Está tudo bem; melhor”).

Os participantes que tinha um sentimento de maior auto-compaixão demonstraram maior bem-estar. Por quê? Pois bem. Eles estavam bem com suas falhas, reconheceram que lutavam como aqueles ao seu redor (“Todo mundo comete erros; você não está sozinho”), e se tratavam com a mesma bondade que estenderiam a um amigo.

Se você estiver interessado em ler mais a respeito de técnicas e estratégias específicas para melhorar a auto-compaixão em adolescentes, dê uma olhada no trabalho da psicóloga  Karen Bluth

Ela desenvolveu recentemente um programa chamado  Making Friends with Yourself. Os jovens que participaram deste programa de  oito semanas, relataram que apresentaram maior resiliência, menos depressão e menos estresse no final do mesmo. 

3- Evite Comparação Social

Quando nos concentramos na  auto-estima, tendemos a nos comparar com os outros. Adolescentes, em particular, muitas vezes sentem uma “ audiência imaginária ” (isto é, “todo mundo está olhando para mim!”) E podem se tornar altamente sensibilizados sobre quem são em relação a todos ao seu redor.

Instagram e outras plataformas de mídia social podem não ajudar necessariamente. Algumas pesquisas sugerem uma ligação entre mídia social e depressão, ansiedade, solidão e FoMO (medo de perder) entre os adolescentes.

A busca e aceita por suas postagens podem não acumular o número de “curtidas” que as postagens de seus amigos fazem, ou podem se sentir excluídas quando vêem fotos de colegas felizes passando tempo juntos sem elas.

Sugere-se que um novo aplicativo para meninas adolescentes chamado  Maverick  pode ser uma opção mais saudável do que o Snapchat ou o Instagram. Cabe aos pais analisarem antes, se realmente é um investimento positivo para a vida de seu filho.

Nesta plataforma de mídia social, os adolescentes podem se conectar com modelos (chamados de “catalisadores”) e explorar sua criatividade (como projetar seu próprio super-herói ou escolher um mantra pessoal). Claro, há sempre a opção de fazer uma pausa nas mídias sociais também.

Independentemente do que os adolescentes escolhem fazer online, muitas das nossas escolas podem ou poderiam ser estruturadas para comparação social. As práticas de classificação, rotulagem e rastreamento (agrupamento de alunos com base em seu desempenho acadêmico) não respeitam necessariamente as paragens, os inícios e os erros inevitáveis ​​que são uma parte natural do processo de aprendizagem.

4- Capitalize em Habilidades Específicas

Se você acompanhar os talentos e interesses dos adolescentes, poderá apoiá-los no cultivo de seus pontos fortes. Seu filho pode pensar que ele é um atleta terrível, mas ele se ilumina quando trabalha em projetos de ciências na escola. 

E geralmente há aquela menina quieta e desgrenhada que senta no fundo da sua turma. Ela pode se sentir socialmente desajeitada, mas ela te emociona com sua poesia.

Uma pesquisadora chamada Susan Harter  estudou a auto-estima e o autoconceito de adolescentes durante anos. Ela comenta e afirma que o autoconceito é específico do domínio.

 Nossa autoestima geral ou senso de valor tende a ser enraizada em oito áreas distintas: competência atlética, competência escolar, conduta comportamental, aceitação social, amizade próxima, apelo romântico, satisfação no trabalho e atratividade física.

Fale com os adolescentes em sua vida. Quais são seus valores e prioridades pessoais? Compartilhe pesquisas com eles, veja e analise o  VIA  (que identifica os pontos fortes do personagem como coragem, honestidade e liderança). E também existe  caso ache interessante responder a um  teste de inteligência múltipla. Comemore seus talentos e personalize atividades e instruções sobre suas habilidades, tanto quanto possível.

Pode não ser fácil mudar o senso global de autoestima dos adolescentes, e levar um tempo, na verdade na vida nada se modifica no dia pra noite. Mas com certeza podemos certamente destacar e encorajar áreas de interesse e habilidades específicas para que eles se sintam mais confiantes, capazes e inspirados.

5- Ajudar os Outros (Em especial os Estranhos)

Quando os adolescentes interagem com outras pessoas eles são mais propensos a se sentir melhor sobre si mesmos. Um  estudo  de 2017 com 681 adolescentes americanos (com idades entre 11 e 14 anos) examinou seu tipo de comportamento útil durante um período de quatro anos.

Os pesquisadores descobriram que os adolescentes que eram gentis e prestativos em geral tinham maior auto-estima. Mas aqueles que dirigiam sua generosidade para com estranhos (não amigos e familiares) tendiam a crescer em auto-estima.

Quando os adolescentes contribuem regularmente para uma causa maior. Eles aprendem a  pensar além de si mesmos, o que pode ajudá-los a ser mais positivos, capacitados e propositais.

Como muitos adolescentes lutam contra a ansiedade e o perfeccionismo, nossa ânsia pode ser a de pular e consertar seus problemas, seja qual for a nossa percepção.

Mas uma abordagem melhor, que esperamos ajudar a reverter essas tendências preocupantes. É animá-los enquanto desenvolvem os hábitos e forças mentais que os apoiarão ao longo de suas vidas.

Deixe seu Comentário