segunda-feira , março 30 2020
Home / CINEMA / Sucesso de bilheteria! As animações lucrativas da Disney

Sucesso de bilheteria! As animações lucrativas da Disney

A grandiosa Disney já se tornou um símbolo de aventuras infantis – adultas também – com seu vasto universo mágico e lúdico das animações clássicas à experimentais e modernas, quando houve a junção com os estúdios Pixar. E todo ano é uma ansiedade para saber qual será o novo trabalho da empresa e qual será o curta-metragem exibido antes do filme nas salas de cinema, porque já acostumaram o público com isso, não é mesmo?

Com várias décadas de existência, vários parques temáticos pelo mundo, um legado bem sucedido, a Disney se viu dentro de um nicho bastante comentado pelos fãs: o das continuações! Toy Story já possui quatro filmes; Carros tornou-se uma saga com três longas; A Pequena Sereia e Mulan também têm as respectivas sequências e assim a empresa criou ainda mais círculos de admiradores que se apegam às determinadas histórias, querendo sempre um bis.

Só para afirmar isso, desde o lançamento de Frozen 2, os Estúdios Walt Disney conseguiram quebrar o próprio recorde e garantiu o primeiro lugar no pódio de animações com as maiores bilheterias, ou seja, passou na frente do antecessor, e elogiado, Frozen (2013). Um bom gráfico do quanto os fãs esperavam para ver Elsa, Anna e Olaf novamente em uma “aventura congelante”. Até o momento, a sequência animada já arrecadou, mundialmente, mais de 1,380 bilhão de dólares, cerca de mais de 5 bilhões de reais na cotação atual.

Porém, a lista rentável da marca é ainda maior no quesito personagens desenhados.

Confira abaixo!

Frozen (2013) 

Elsa aparece ainda mais poderosa na sequência de Frozen

Como já era de se esperar, o boneco de neve Olaf conquistou os corações de quem acompanhou a história das irmãs Elsa e Anna e os poderes mágicos da herdeira de cabelos brancos. 

A premissa original de princesas que descobrem seus laços familiares ainda mais fortes e batalham, lado a lado, para salvarem o reino representou ainda mais a narrativas sociais atuais: a de mulheres como grandes fortalezas independentes.

As salas de cinema movimentadas garantiu um total de mais de US$ 1,270 bilhão.

Os Incríveis 2 (2018)

Os Incríveis

A estilista Edna foi tão icônica quanto a família Pêra, mas além de mais vilões para serem combatidos, foram os diversos poderes descobertos em Zezé, o caçula da casa, que, somados com a fofura do bebê, chegaram a uma matemática muito boa na carteira da empresa. Foram US$ 1,240 bilhão de arrecadação ao redor do mundo.

Toy Story 4 (2019)

O quarto filme, até então, encerrou a história dos brinquedos

Dá para acreditar que os brinquedos do Andy se mantiveram firmes por quatro filmes? O passar dos anos pode ter envelhecido o garotinho ex-dono do xerife Woody, do grande amigo Buzz Lightyear e companhia, mas quem ama a narrativa dos personagens não deixou de conferir mais uma parte da trama, deixando o trabalho da Disney-Pixar com uma bilheteria de US$ 1,073 bilhão.

Toy Story 3 (2010)

O grupo de amigos brinquedos no terceiro filme da franquia

É meio difícil segurar o choro quando Andy, que dá um passo em sua trajetória e segue para a universidade, precisa se desfazer de seus brinquedos. Apesar de ficar indeciso em qual doar e qual ainda quer guardar, Woody é o primeiro que ele decide levar consigo. No entanto, confusões acontecem e todos vão parar em uma creche na qual conhecem Lotso, um urso fofo que se mostra o grande vilão no final.

De qualquer forma, com diversas lições morais, Andy entrega seus grandes amigos para uma nova e adorável dona, a pequena Bonnie.

Ao todo, foram mais de US$ 1,063 bilhão arrecadados.

Procurando Dory (2016)

Dory ainda bebê

A peixinha esquecida Dory virou a grande protagonista da sequência de Procurando Nemo e rendeu US$ 1,28 bilhão. Com a ajuda de Nemo e seu pai, Marlin, Dory vai em busca da sua origem, a começar por seus pais, levando todo mundo para mais uma aventura nas profundezas do oceano já que ela sofre de, como ela mesma diz, “perda de memória recente”. 

Aliás, você sabia que é a apresentadora/comediante Ellen DeGeneres quem a dubla na versão original?

Zootopia (2016) 

Judy e o malando Nick

A história da coelha Judy, que sai da cidadezinha pequena e corre em busca de seu sonho em ser uma policial na cidade grande, nos apresenta diversos outros personagens cativantes, como a raposa Nick, que vive de trapaças.

Quando a vida dos dois se cruzam, a certinha com o malandro precisam cooperar juntos a partir do momento que descobrem assuntos bem temerosos envolvendo uma funcionária da prefeitura. 

A animação conquistou US$ 1,23 bilhão nos cinemas.

Procurando Nemo (2003)

Procurando Nemo

Antes de Dory, foi o Nem quem sumiu. Órfão de mãe, o peixinho palhaço é criado pelo pai, Marlin, que é protetor até demais por conta do filho tem uma nadadeira menor do que a outra.

Em certo momento de rebeldia, Nemo vai até um lugar que não deveria e é capturado por humanos, indo parar no aquário na sala de um dentista.

Marlin, por sua vez, sai em uma busca desenfreado pelo pimpolho, conhecendo Dory durante o caminho e enfrentando diversos perigos, juntando um total de mais de US$ 936 milhões para o cofrinho da Disney.

Divertida Mente (2015)

'Vamos lá, abraço em grupo! Você também, Raiva'. 'Não me toque.'

Nessa proposta bem original, a narrativa gira em torno de “bonequinho” dentro da cabeça da pequena Riley, representando os sentimentos: alegria, nojo, tristeza, raiva e medo.

Tal história nos mostra o crescimento da menina, as mudanças pelas quais ela passa – principalmente quando vai morar em outra cidade – e como isso vai afetando seu modo de pensar e agir. Uma grande lição a respeito de como lidamos com as nossas emoções e fases.

O público gostou tanto que fez o lucro  do longo girar em torno dos US$ 856 milhões.

Viva – A Vida é uma Festa (2017)

O garotinho Miguel

Uma homenagem bem especial ao México, Coco (como foi batizado o filme em inglês) passeia por entre o real e a fantasia de forma deslumbrante aos olhos do garotinho Miguel. 

Ele quer seguir o sonho de ser músico, mas a sua tataravó baniu a música da vida da família desde que foi abandonada por seu esposo, que era cantor. A regra perseguiu a família até a mais nova geração, mas Miguel sempre dá o seu jeitinho para tocar escondido.

Certo dia, sem querer, acaba quebrando um porta retrato de Amelia e descobre a foto de um homem, mas com o rosto rasgado do registro, segurando o violão de Ernesto de la Cruz, astro na época em que a tataravó foi abandonada. Seguro de que seu tataravô era o tal Ernesto, o jovem vai em busca de informações, atravessando, sem intenção nenhuma, para o mundo dos mortos durante o feriado do Dia dos Mortos, que tem uma grande tradição no país.

Foi eleito o Melhor Filme de Animação do Oscar 2018 e garantiu US$ 807 milhões nas bilheterias.

Universidade Monstros (2013)

É na universidade que Mike e Sulley se tornam amigos

Esse está mais para um prelúdio do que uma continuação, mas como veio depois de Monstros S.A. então é preciso considerar como sequência. 

No longa vemos Mike e Sulley entrando para a universidade e como foi que eles se conheceram e criaram a amizade que as pessoas tanto amam. E olha que tudo, no início, teve muita briga e competição. Nem tudo são flores, não é mesmo?!

De qualquer forma, os nem tão assustadores monstros arrecadaram mais de US$ 740 milhões.

Fonte >O Fuxico

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *