domingo , março 29 2020
Home / CARROS / Holden: mãe do Omega australiano tem seu fim declarado pela GM

Holden: mãe do Omega australiano tem seu fim declarado pela GM

Divisão australiana da General Motors encerrará suas operações até 2021

Holden Commodore se tornou Chevrolet Omega no Brasil

Holden Commodore se tornou Chevrolet Omega no Brasil (Holden/Divulgação)

Com uma estratégia cada vez mais focada na América Latina, Estados Unidos e China, a General Motors decretou o fim da subsidiária australiana Holden. Todas as atividades da marca, controlada pela gigante norte-americana desde 1931, serão encerradas até o ano que vem.

Dos cerca de 800 funcionários, 600 serão dispensados. Os 200 restantes serão mantidos no fornecimento de peças e assistência técnica por mais 10 anos para cumprir a lei australiana.

Linha da Holden é composta por carros de Opel. Chevrolet, GMC e Buick

Linha da Holden é composta por carros de Opel. Chevrolet, GMC e Buick (Holden/Divulgação)

A Holden encerrou a fabricação de automóveis na Austrália em 2017. Desde então, comercializa versões de carros da Buick, GMC, Opel e Chevrolet com sua marca.

A GM também confirmou que deixará de produzir veículos na Tailândia, onde as instalações da fábrica de picapes serão vendidas à chinesa Great Wall. A empresa diz que “vai investir em mercados onde possui estratégias adequadas para impulsionar retornos sólidos e priorizar investimentos globais”.

Holden FX do final dos anos 1940

Holden FX do final dos anos 1940 (Holden/Divulgação)

Há cinco anos, a GM já havia deixado a Rússia e tirado a marca Chevrolet da Europa. Em 2017, encerrou as atividades na África do Sul e vendeu as marcas Opel (Alemanha) e Vauxhall (Reino Unido) ao grupo francês PSA, dono da Peugeot e Citroën. Nos últimos anos, a empresa também deixou Índia, Indonésia e Vietnã.

Com vendas em queda na Índia e Oceania, a GM decidiu encerrar o desenvolvimento e produção de carros com volante do lado direito (mão inglesa).

Holden Ute SS Storm: uma picape baseada no Commodore e com motor V8

Holden Ute SS Storm: uma picape baseada no Commodore e com motor V8 (Holden/Divulgação)

A Holden entrou no ramo de automóveis em 1908, mais de meio século após a sua fundação como fabricante de selas. A empresa foi adquirida pela General Motors em 1931, mas só fabricou o primeiro carro australiano após a Segunda Guerra Mundial.

A linha Commodore foi lançada em 1978, baseada no alemão Opel Senator, dando origem a diversos modelos, especialmente à peculiar picape Ute.

O Holden Commodore surgiu em 1978

O Holden Commodore surgiu em 1978 (Holden/Divulgação)

Embora não tenha operado oficialmente no Brasil, a Holden foi responsável pela continuidade do Chevrolet Omega em nosso mercado, entre 1998 e 2012. A marca australiana enviava para cá o sedã Commodore, rebatizado com o nome do modelo criado pela alemã Opel.

O Omega australiano fez relativo sucesso por oferecer bom nível de equipamentos, espaço interno generoso e desempenho parecidos com os de sedãs de luxo de marcas europeias e japonesas. Ele era sempre equipado com motor V6 a gasolina, câmbio automático de seis marchas e tração traseira.

020215-celeb-07.jpg
Chevrolet Omega Fittipaldi: além de uma edição especial do Monza, o bicampeão mundial de F-1 Emerson Fittipaldi emprestou seu sobrenome a uma versão do Omega lançada em 2011

Chevrolet Omega Fittipaldi: além de uma edição especial do Monza, o bicampeão mundial de F-1 Emerson Fittipaldi emprestou seu sobrenome a uma versão do Omega lançada em 2011 (Marco de Bari/Quatro Rodas)

A última configuração (que teve uma série especial em homenagem ao ex-piloto Emerson Fittipaldi), levava sob o capô o Alloytec V6 3.6 com injeção direta, que rendia 292 cv de potência e 36,7 kgf.m de torque.

O Omega acelerava de 0 a 100 km/h em bons 6,8 segundos e atingia os 235 km/h de velocidade máxima, segundo os dados de fábrica.

A plataforma Zeta do Commodore/Omega era compartilhada com outros carros de grande porte e tração traseira da General Motors, incluindo o Chevrolet Camaro de quinta geração, lançado no Brasil em 2010.

Fonte >Quatro Rodas

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *