domingo , março 29 2020
Home / ECONOMIA / taxas de títulos públicos recuam nesta sexta-feira

taxas de títulos públicos recuam nesta sexta-feira

Notas de 50 e 100 reais
(Shutterstock)

SÃO PAULO – As taxas dos títulos públicos negociados no Tesouro Direto, programa que possibilita a compra e venda de papéis por investidores pessoas físicas por meio da internet, apresentam queda na manhã desta sexta-feira (28), apesar do ambiente de aversão a risco com o coronavírus.

Nova Zelândia e Nigéria reportaram os primeiros casos confirmados da doença, enquanto a Coreia do Sul ultrapassou hoje a marca de 2,3 mil pessoas infectadas, com 571 novos casos nas últimas 24 horas. No mundo, já são registrados mais de 82 mil casos do Covid-19.

Refletindo o cenário ainda hostil ao risco, o Ibovespa encerrou o pregão anterior com queda de 2,6%, aos 105.239 pontos, enquanto o dólar comercial teve alta de 0,7%, cotado a R$ 4,4746 na compra e R$ 4,4751 na venda.

Hoje, a Bolsa brasileira segue no vermelho, com queda de 0,45% por volta das 10h30, enquanto o dólar subia 0,34%, a R$ 4,4897 na compra e R$ 4,4905 na venda.

O Banco Central voltou a intervir para conter a alta da moeda americana e ofertou nesta manhã 20 mil contratos de swap cambial, que se somam aos 30 mil vendidos nos últimos dois dias.

Com o aumento das preocupações em relação a uma desaceleração do crescimento global, a perspectiva de que a já fraca economia brasileira possa declinar ainda mais levou o mercado a aumentar as apostas em flexibilização monetária adicional, mesmo que a probabilidade de corte da Selic pelo Banco Central ainda seja marginal.

Ontem, o Bank of America reduziu pela segunda vez no mês, por conta da doença, a projeção para o crescimento do Brasil em 2020, de 2,2% para 1,9%. Na quarta-feira, foi a vez do JP Morgan, que cortou a estimativa para a expansão do PIB brasileiro neste ano de 1,9% para 1,8%.

Na agenda de indicadores domésticos, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) mostrou hoje que o desemprego ficou em 11,2% no trimestre até janeiro, ante taxas de 11%, no trimestre encerrado em dezembro, e 12%, no trimestre até janeiro de 2019. A estimativa mediana dos economistas de acordo com o consenso Bloomberg era de 11,3%.

Leia também:
Como gestores estão se posicionando na Bolsa nesta volta de feriado
Indicador de risco, CDS brasileiro atinge maior valor em três meses com coronavírus

No Tesouro Direto, o título prefixado com vencimento em 2023 pagava 5,34% ao ano nesta manhã, ante 5,41% a.a. na abertura de quinta-feira (27). O investidor podia aplicar uma quantia mínima de R$ 34,52 (recebendo uma rentabilidade proporcional à aplicação) ou adquirir o título integralmente por R$ 863,12.

O Tesouro Prefixado 2026, por sua vez, oferecia um prêmio anual de 6,45%, ante 6,51% a.a. anteriormente.

Entre os títulos indexados à inflação, o movimento também era de queda nas taxas. É o caso do Tesouro IPCA+ com juros semestrais 2030, que pagava 3% a.a., ante 3,02% ao ano na véspera. Já o retorno do Tesouro IPCA+2035 cedia de 3,42% para 3,39% ao ano.

Confira, a seguir, os preços e as taxas dos títulos disponíveis no Tesouro Direto:

Fonte: Tesouro Direto

Saia da poupança e faça seu dinheiro render mais: abra uma conta gratuita na Rico

Baixo risco, liquidez e acessibilidade

O Tesouro Direto é considerado a opção de investimento com o menor risco no Brasil e com ampla acessibilidade, dado o investimento mínimo a partir de R$ 30. Outra vantagem do programa diz respeito à liquidez, com a possibilidade de recompra diária dos títulos públicos pelo Tesouro.

O investidor pode aplicar em títulos públicos diretamente pelo site do Tesouro, se cadastrando primeiro no portal e abrindo uma conta em uma corretora, como a Rico Investimentos, por exemplo, para intermediar as transações. Atualmente, a maior parte das instituições financeiras habilitadas a operar no programa não cobra taxa de administração.

O único custo obrigatório que recai sobre o investimento em títulos públicos pelo Tesouro Direto corresponde à taxa de custódia, de 0,25% ao ano sobre o valor dos títulos, cobrada semestralmente no início dos meses de janeiro e de julho.

Entenda tudo sobre Tesouro Direto neste guia completo:

Guias InfoMoney

Fonte >Infomoney

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *