quarta-feira , setembro 30 2020

A verdadeira história do homem da máscara de ferro

Compartilhe

No ano de 1669, um homem conhecido por Eustache Dauger foi condenado pelas autoridades locais a ter a sua cabeça presa em uma máscara de ferro. Com o passar dos anos, o que antes era tratada como uma história verídica, se tornou uma lenda. Desde então, a vida do homem da máscara de ferro é recontada em livros, filmes e seriados, fazendo um simples prisioneiro tornar-se lendário.

A vida do homem da máscara de ferro

Nos registros históricos pouco se sabe sobre a vida de Dauger antes de ter sido preso. Todas as evidências que levaram à reconstituição de sua história foram informadas pelo seu carcereiro, Bénigne Dauvergne de Saint-Mars, enquanto ele ainda estava na prisão. Até onde foi investigado acerca dessa lenda, pesquisadores acreditam que a máscara não era constituída de ferro, mas, sim, de veludo preto.

Uma das evidências sobre a veracidade dessa história é uma carta enviada pelo Marquês de Louvois para Saint-Mars. Na carta, o Marquês anunciava que Bénigne iria receber um prisioneiro e seria seu guardião por um determinado tempo. Havia também uma série de instruções acerca de como o preso deveria ser tratado. Dauger não podia tirar a sua máscara em nenhum momento, comer apenas uma refeição no dia, e caso pedisse por socorro, ninguém ouviria, uma vez que a cela foi construída com portas múltiplas.

Ao que parece, nunca saberemos os mistérios que rondam a lenda do famoso homem da máscara de ferro, como seu nome e a causa da sua condenação.
Ilustração do homem da máscara de ferro. (Imagem: Wikipedia)

A prisão de Pignerol, em Pinerolo, não era para presos comuns, mas sim para homens que, de alguma forma, foram uma vergonha para o Estado. No local haviam prisioneiros como Nicolas Fouquet, marquês de Belle-Île, ex-superintendente de finanças. Teve a ordem de prisão decretada devido à má conduta ao fazer desvio de dinheiro do Estado.

LEIA TAMBÉM: Como uma desconhecida morta em Paris salvou milhões de pessoas

Por se tratar de alguém importante, ele possuía algumas regalias mesmo estando na prisão. Uma delas era a presença de um servo para lhe oferecer o máximo de conforto possível. Certo dia, o servo precisou se ausentar, e Dauger o teve que substituir. As especulações acerca desse encontro sugerem que houve uma importante descoberta no qual o homem da máscara de ferro pertencia à família real francesa.

A suposta morte de uma lenda

Devido às poucas evidências estipuladas acerca dessa história, nem mesmo os historiadores podem afirmar se realmente Eustache Dauger seria o verdadeiro nome do prisioneiro. Portanto, são inúmeras suposições até o momento, ao mesmo tempo em que houve tanta repercussão, que muitos tentaram reproduzir a mesma lenda para ganhar mais prestígio na época.

Quando Saint-Mars foi transferido para a prisão de Bastilha, o prisioneiro mascarado também foi levado junto a ele. Essa transferência ocorreu em 18 de setembro de 1698, e, em sua nova cela, Dauger ficara trancafiado sozinho, por mais alguns anos, até chegar o dia da sua morte, em 19 de novembro de 1703.

Ao que parece, nunca saberemos os mistérios que rondam a lenda do famoso homem da máscara de ferro, como seu nome e a causa da sua condenação.
O Homem da Máscara de Ferro, de acordo com Regnault-Warin MJJ, 1804. (Imagem: Wikipedia)

Após esse dia, tudo o que havia sido utilizado pelo prisioneiro foi destruído, enquanto a cela teve as suas paredes pintadas novamente de branco e todos os objetos em metal foram derretidos. Mesmo com a sua morte, ninguém conseguiu descobrir o motivo para o condenado passar o resto dos seus dias em uma prisão usando uma máscara de ferro.

No dia do seu enterro, o nome que lhe foi atribuído era Marchioly. Talvez nunca seremos capazes de descobrir seu verdadeiro nome e a causa que fez com que o Rei o condenasse a viver seus últimos dias como o homem da máscara de ferro.

VOCÊ PODE GOSTAR: Designer recria figuras históricas com toque contemporâneo

Queremos nos tornar a maior referência em educação científica do Brasil e na língua portuguesa. Para isso, precisamos pagar os melhores jornalistas, revisores e freelancers de ciência. Fazendo uma doação mensal em nosso apoia.se, você nos ajuda a nos manter independentes e continuar o nosso trabalho sem percalços. 

Fonte >Sociedade Científica

Deixe uma resposta