quarta-feira , outubro 28 2020

Doria anuncia ampliação da fábrica do Instituto Butantan para a produção da vacina chinesa contra a Covid-19

Compartilhe

João Doria segura uma vacina contra a Covid-19

SÃO PAULO – O governo de São Paulo anunciou, nesta segunda-feira (14), que as obras de modernização e ampliação da fábrica do Instituto Butantan, que irá produzir a vacina contra o coronavírus desenvolvida pelo instituto, em parceria com o laboratório chinês Sinovac, serão iniciadas no dia 1º de novembro.

De acordo com o governador João Doria (PSDB), o governo conseguiu arrecadar em doações com a iniciativa privada cerca de R$ 97 milhões. O montante representa 60% do custo total do projeto, de R$ 160 milhões.

“Fisicamente, essa fábrica já existe, mas ela será adaptada, ampliada, modernizada e equipada”, disse o governador durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.

A CoronaVac está na fase três de testes clínicos, que é a última etapa antes da aprovação da vacina. Os testes envolvem 9 mil profissionais de saúde, que se voluntariaram para receber as doses da vacina em 12 centros de pesquisa em seis estados.

Segundo estimativas do governo, a reforma deve ser concluída até o final do próximo ano e a fábrica deve operar com plena capacidade em 2022. Com a fábrica, a produção das vacinas deve aumentar significativamente para suprir a demanda nacional pelo medicamento.

“Nós temos a convicção de que, com a agilidade e a governança do setor privado, em parceria com o setor público, teremos condições de rapidamente terminar a construção dessa fábrica, que terá como função principal a produção da CoronaVac. É com essa fábrica que nós vamos finalizar o processo de transferência de tecnologia da Sinovac para o Butantan”, disse Wilson Mello, presidente da InvestSP.

“A construção da fábrica é o último passo da transferência de tecnologia, ela deve estar pronta no final do próximo ano e operando em plena capacidade no início de 2022. É uma boa notícia, vai dotar o Butantan de uma fábrica moderna, dentro de toda a tecnologia mais avançada que existe neste momento, então as notícias são muito boas e estamos muito otimistas em relação a esses prazos anunciados”, explicou Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan.

Em reportagem anterior, o InfoMoney explicou o que significa e como funciona um acordo de transferência de tecnologia entre laboratórios para a produção autônoma de uma vacina.

A expectativa do governo paulista é de que, caso os testes comprovem a eficiência da CoronaVac, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) chancele a vacina até o início de dezembro. O Instituto Butantan receberá, até o final do ano, 45 milhões de doses da vacina da CoronaVac. Segundo o governador, as doses podem chegar a 100 milhões no começo de 2021.

Epidemia enfraquece no estado

Outro dado divulgado durante a coletiva foi a redução consistente de todos os indicadores de evolução da pandemia no estado de São Paulo.

Segundo o governador, a média móvel diária de mortes provocadas pelo coronavírus está em queda pela quinta semana consecutiva e chega ao menor patamar desde o final de maio.

De acordo com os dados da secretaria estadual de saúde, a média móvel diária estadual de novas mortes por Covid-19 na última semana epidemiológica, entre 6 e 12 de setembro, ficou em 179 casos.

O resultado mostra uma redução de 8,7% em relação a semana anterior, de 30 de agosto a 5 de setembro. A média atual de óbitos por coronavírus também é a menor verificada desde meados de maio.

Governo pede precaução

Apesar da ligeira melhora nos indicadores, Doria alertou para a necessidade de redobrar a precaução e evitar que as taxas de contágio do coronavírus voltem a subir.

“São números que voltam a comprovar a queda sólida dos indicadores de São Paulo, mas isso não significa relaxamento das medidas da quarentena”, ressaltou o governador. “Estamos em quarentena e devemos permanecer até a chegada da vacina que nos imunizará a todos e nos protegerá definitivamente”, concluiu.

“Para que voltemos ao nosso normal, precisamos da vacina. Só assim poderemos viver como vivíamos”, comentou Jean Gorinchteyn, secretário de saúde do Estado.

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:

Fonte >Infomoney

Deixe uma resposta