segunda-feira , janeiro 18 2021

Como o protocolo Ocean está revolucionando o compartilhamento de dados confidenciais – Money Times

Compartilhe

Com a terceira versão de seu protocolo, Ocean apresenta um mercado de dados, tokens de dados (“datatokens”) e ofertas iniciais de dados (IDOs) àqueles que precisam utilizar dados confidenciais (Imagem: Medium/Ocean protocol)

A frase “dados são o novo petróleo” foi cunhada pelo matemático de dados Clive Humby em 2006. Essa metáfora se torna mais real cada vez que você se aprofunda nela.

Em sua forma crua, dados são como petróleo não refinado e possuem diversas semelhanças:

– ambos os recursos são difíceis de utilizar em suas formas não refinadas;

– dados são custosos de gerenciar e armazenar em uma base contínua, apesar de não serem tão caros como o petróleo;

– dados e petróleo exigem diversos níveis de processamento custoso. Para dados, esse processamento é conhecido por limpeza e rotulagem de dados.

Porém, uma diferença principal é que as mesmas fontes de dados podem ser consumidas diversas vezes e combinadas com outras informações para fornecer maior valor. Dados se tornam úteis quando pessoas ou empresas podem unir os pontos.

A união entre dados e informações resulta em conhecimento (Imagem: David Sommerville)

Como o protocolo Ocean está criando dados com acréscimo de valor

O protocolo Ocean foi criado para cientistas de dados. Embora visualizações de dados geralmente sejam os componentes essenciais em dados no trabalho de um cientista, grande parte do tempo dos cientistas de dados é gasta coletando e limpando dados antes da análise.

Dados valiosos exigem esforço para coletar, como navegar por milhões de sites, transcrever áudios em textos ou outras tarefas técnicas e tediosas. Assim, a limpeza de dados (rotulagem, filtração e edição) exige tempo e esforço metódico de processamento.

Esta semana, o protocolo Ocean lançou a terceira versão de seu protocolo, que possui conceitos empolgantes como um mercado de dados, tokens de dados (“datatokens”) e ofertas iniciais de dados (IDOs).

Esses novos recursos permitem que cientistas e engenheiros de dados aprimorem seu trabalho ao criarem um ecossistema aberto para a venda ou aquisição de dados valiosos.

Os novos tokens de dados do protocolo Ocean são representações de conjuntos de dados ou serviços de dados em que um token de dado desbloqueia o acesso por meio de um contrato autônomo do Ocean.

Tokens são ativos que residem em blockchains e representam um ativo ou uma utilidade. Assim, os “datatokens” do protocolo Ocean representarão dados valiosos; quem comprar os tokens terá acesso aos dados (Imagem: Twitter/Ocean Protocol)

Tokens de dados são tokens padrão ERC-20 que podem ser listados em corretoras ou são compatíveis com protocolos de finanças descentralizadas (DeFi) para fins de empréstimos, derivativos ou outras funções.

Bernardo Srur: a era da tokenização dos ativos

Conforme o mundo migra para a tokenização de todos os tipos de informação, tokens de dados representam uma oportunidade única de comoditizar a transferência de valor de dados e informações. Porém, informações que são valiosas para empresas são sempre confidenciais.

A informação do histórico de saúde, o status de imigração e dados de identificação de clientes podem ser manipulados ou violados se forem compartilhados de forma incorreta.

Para tal, o recurso “compute-to-data” permite que publicadores de dados vendam dados privados enquanto preservam a privacidade.

Além disso, tokens de dados são publicamente comercializáveis no Ocean Market, uma corretora descentralizada alimentada pelo Balancer, onde pessoas (curadores de dados) podem identificar conjuntos de dados de qualidade e fazer o staking de tokens OCEAN para garantir a credibilidade do conjunto de dados.

Pools de liquidez para conjuntos de dados no protocolo Ocean.

“Stakers” — aqueles que aplicam uma quantia de tokens e a mantêm no protocolo — são pagos proporcionalmente ao volume de vendas dos conjuntos de dados que eles julgam serem verossímeis.

Porém, um dos recursos mais interessantes do lançamento da terceira versão do protocolo é a possibilidade de vendas de tokens de dados.

Parecido com a oferta inicial de tokens da Balancer, o Ocean Market fornecerá suporte para ofertas iniciais de dados (IDOs), em que tokens de dados para um conjunto específico de dados e tokens OCEAN serão emitidos em um pool.

Conjuntos de dados e seus respectivos tokens poderão ser criados por qualquer pessoa e precificados de acordo com o valor de dados. Porém, os conjuntos de dados mais valiosos provavelmente serão os que acrescentam valor, os quais um cientista ou analista de dados já terá processado, rotulado e refinado.

A comoditização dos dados ainda será atingida, pois dados são isolados, confidenciais ou exclusivos. O protocolo Ocean é a nova solução para criar um mercado aberto onde dados confidenciais podem ser compartilhados e dados exclusivos podem ser adequadamente precificados e vendidos.

Tornar dados em ativos de dados tangíveis (tokens) irá desbloquear o valor, desenvolvendo um ecossistema mais robusto de dados.

Fonte >Money Times

Deixe uma resposta