terça-feira , dezembro 1 2020

O que ocorrerá com o sistema solar quando o Sol morrer?

Compartilhe

Aceite isso: a morte do sol é inevitável. No entanto, ainda levará quase 5 bilhões de anos, fique tranquilo – muito possivelmente o ser humano se extinguirá muito antes disso. O Sol encontra-se, atualmente, na metade de sua vida, mas já podemos imaginar o que ocorrerá com o sistema solar quando o Sol morrer.

Ah, a fusão

Primeiro, há a fusão de átomos. O Sol é composto majoritariamente por hidrogênio – o elemento mais abundante do universo. A forma com o Sol e as outras estrelas liberam energia é pela fusão nuclear. Você aperta alguns átomos com tanta força que eles se juntam. Nesse processo, você libera energia e forma um outro átomo. No caso da fusão do hidrogênio, libera-se hélio. 

Fusão do deutério e do trítio, isótopos do hidrogênio (Wikimedia Commons).

No entanto, esse combustível não é infinito. Quando o hidrogênio acabar, o Sol fundirá o hélio, e assim a massa dos átomos fundidos cresce continuamente. Mas em algum momento o Sol já não possuirá força para fundir elementos. Nenhuma estrela consegue fundir elementos mais pesados do que o ferro de forma eficiente.

O fim do hidrogênio

Mas o problema se inicia milhões de anos antes do fim dos combustíveis – mas se inicia com o fim do hidrogênio. Conforme  o sol funde o hidrogênio, acumula-se hélio em seu núcleo. Mas o hélio pesa mais, e necessita de mais pressão e mais calor para fundir.

Com o fim do hidrogênio o Sol passará, então, a crescer e esquentar, em seus últimos milhões de anos de vida, lentamente tornando-se uma gigante vermelha. Nos estágios iniciais, o Sol destruirá a atmosfera da Terra e evaporará todos os oceanos. Será um verdadeiro inferno. Mas este é só o começo, a pior parte ainda vem por aí.

O Sol continuará a crescer, e em algum momento engolirá as órbitas de Mercúrio de de Vênus. Em um primeiro momento, talvez ele não engula a Terra, mas é bem possível que também engula. De qualquer forma, apenas pela proximidade, o raivoso e idoso Sol destruirá a Terra, vaporizando todos os metais e as rochas com seu calor e sua ira em menos de um dia. Nesse caso, sobraria apenas o núcleo da Terra.

Comparação entre o Sol agora e quando expandir. (Oona Räisänen).

Evidências indicam que os lindos anéis de Saturno se destruirão logo – em cerca de 300 milhões de anos. No entanto, se estivessem vivos até a expansão do Sol, derreteriam, já que são compostos por poeira e água congelada. Além disso, muitas luas de Júpiter e Saturno são cobertas por gelo, e também perderão o gelo.

Além disso, é possível que os gigantes gasosos roubem gases liberados pelo Sol e os incorporem, tornando-se ainda maiores.

Finalmente, o sistema solar quando o Sol morrer

O Sol iniciará, então, uma série de contrações e expansões, durante alguns milhões de anos. Nesse processo, puxará alguns planetas e lançará outros, perdendo quase toda sua massa. Ele se tornará, então uma anã branca, com um fraco brilho gerado pelo calor remanescente. Agora, inicia-se um período de bilhões de anos de estabilidade, e novos planetas surgirão. Um planeta que se formasse extremamente próximo da estrela poderia abrigar a vida novamente.

Com informações de Live Science.

Fonte >Sociedade Científica

Deixe uma resposta